Me Chame Pelo Seu Nome, Ladybird: a juventude no cinema

Lady Bird conta a jornada de amadurecimento de Christine, uma adolescente geniosa e insatisfeita com praticamente tudo em sua vida, especialmente a cidade onde mora. Me Chame Pelo Seu Nome mostra o primeiro amor de Elio, um adolescente tímido e intelectual que se apaixona pelo aluno de seu pai durante as férias de verão. Tirando os narizes sangrando, a importância dada aos nomes e Timothée … Continuar lendo Me Chame Pelo Seu Nome, Ladybird: a juventude no cinema

Star Wars: Os Últimos Jedi (ou: A Fanbase Contra-Ataca)

Ele chegou! Depois do baita sucesso do Despertar da Força, fomos agraciados com mais um Star Wars. Com a expectativa a mil, corri pra ver o filme logo na primeira semana. Falando da minha experiência ao assistir, achei algumas partes meio longas (já falarei sobre), mas fui surpreendida por vários momentos incríveis e emocionantes! Saí do cinema feliz da vida. Só que, aparentemente, muita gente … Continuar lendo Star Wars: Os Últimos Jedi (ou: A Fanbase Contra-Ataca)

TOP 15: Artistas que me inspiram

Ando meio sumida, mas por um motivo nobre: tava escrevendo roteirinhos! Tô conseguindo manter um bom ritmo de escrita dos meus projetos, mas acabei deixando o blog de lado. Eis que, nesse clima de final de ano, lembrei de uma ideia de post que tive há algum tempo: falar sobre as pessoas que me inspiram. Antes de tudo, deixo claro que escolhi pessoas da indústria … Continuar lendo TOP 15: Artistas que me inspiram

A família (nada) tradicional de This Is Us

Não vou mentir: demorei uns bons seis meses pra começar This Is Us. A preguiça de ir atrás da série, que tem 18 episódios de uns 45 minutos, me venceu por muito tempo. Com o excesso de tempo livre que tive esse mês (cortesia de um pé torcido), finalmente me rendi à série – e, como não podia deixar de ser, me apaixonei! E não … Continuar lendo A família (nada) tradicional de This Is Us

The Good Place: uma comédia “elevada”

Momento ostentação babaca: estava eu no Studio Tour da Universal de Los Angeles, em março deste ano, quando passamos por um outdoor de The Good Place – segundo o guia, a série estava sendo gravada lá nos estúdios. Olhei bem pro outdoor, com a Kristen Bell (saudosa irmã da Frozen) e um velhinho arrumado, mas não fiquei tão interessada. Seis meses depois, a série finalmente … Continuar lendo The Good Place: uma comédia “elevada”

Mãe!, um filme em primeira pessoa

Já que os filmes de terror que vi este ano me tornaram destemida, fui assistir Mãe! por pura curiosidade. A premissa é levemente sinistra: um casal mora numa casa afastada e, com a chegada de um (não-)convidado, as coisas começam a mudar por lá. As opiniões da crítica se dividem como o Mar Vermelho: de um lado, pessoas que consideraram o filme uma obra-prima; de outro, … Continuar lendo Mãe!, um filme em primeira pessoa

Corra! e It – A Coisa: O medo por dentro e por fora

Esse ano marcou, para mim, um rito de passagem cinéfilo: finalmente tive coragem de ir assistir filmes de terror/suspense no cinema. Assisti Corra! no começo do ano e gostei tanto da experiência que juntei forças pra ver It – A Coisa semana passada. Como é um gênero que só agora tenho estrutura emocional para explorar (naquelas), decidi comentar sobre os dois juntos – até porque, é … Continuar lendo Corra! e It – A Coisa: O medo por dentro e por fora

Handmaid’s Tale e o preço da apatia

Minha primeira impressão de Handmaid’s Tale não foi das melhores: “Série de suspense com freira? Tô fora!” pensei eu, medrosa que sou. Tempos depois, vi que a série se tornou uma das favoritas a ganhar o Emmy desse ano. Decidi assistir ao trailer  da série e minha cabeça explodiu! A premissa é de arrepiar: em um futuro próximo, os Estados Unidos são dominados por uma … Continuar lendo Handmaid’s Tale e o preço da apatia

Baby Driver (Em Ritmo de Fuga) é tudo isso?

Quando entrei no cinema pra assistir Baby Driver (me recuso a usar o nome traduzido, o original é mais estiloso), minhas expectativas batiam no teto de tão altas. Vi muita gente falando maravilhas sobre o filme na mídia internacional, e já tava com os olhos brilhando pelo elenco – Frank Underwood e Django no mesmo filme, eu nasci pra ver isso! Fiquei muito feliz de … Continuar lendo Baby Driver (Em Ritmo de Fuga) é tudo isso?

GLOW: Divertir pra conquistar

Se a zuera não tem limites na internet, a coisa não era muito diferente na televisão de alguns anos atrás. Cresci no fim dos anos 90, assistindo banheira do Gugu e torcendo pra Tiazinha na Casa dos Artistas – mas sei que a apelação corria solta bem antes disso. Foi em um contexto parecido que, nos anos 80, nasceu GLOW (Gorgeous Ladies of Wrestling) – … Continuar lendo GLOW: Divertir pra conquistar