Stay The Night

Minha nossa! Fazia um bom tempo que não falava de videoclipes, não? Pura preguiça, confesso. Já tinha separado pelo menos uns três pra falar sobre ano passado e nada… Mas antes tarde do que nunca! Apresento-lhes, enfim, um dos videoclipes mais visualmente maravilhosos que estes olhinhos já vislumbraram: o da música Stay The Night, parceria do Zedd com a Hayley Williams (a Jennifer Lawrence da música: ~todos ama~). Lembro que assisti pelo menos umas três vezes seguidas – isso só no primeiro dia!

Como gosto muito da música, que tem uma letra bem linda e sofrida, vivo acessando o clipe no Youtube – e, se fico uns 3 segundos assistindo, vou até o fim. O clipe já começa com um megaclose da Hayley pra te prender a atenção. E o que vem depois, garanto, vale a pena assistir! As diferentes transições usadas no vídeo são a parte mais atrativa: persianas em 0:17, cobertor em 2:21 e as fusões maravilhosas que acontecem o tempo todo, em que parece que a imagem se desfaz num movimento e dá lugar a outra. Vi o making of e sabe como o diretor fez isso? Sacudindo uma lâmpada na frente da lente! ISSO FAZ ALGUM SENTIDO PRA VOCÊ? Eu fiquei maluca, tentei reproduzir uma vez e não consegui, virou objetivo de vida.

Aliás, sabem quem é o diretor? Acredite se quiser, é o mocinho que aparece dançando no próprio videoclipe! Ele já apareceu arrasando no clipe de Did It Again da Shakira – que gosto muito, aliás – e agora taí, mandando muito bem na direção também. Sim, porque não é só de efeitos que se vive a vida (?), a coreografia do casal passa uma emoção muito forte, combina certinho com a própria história que a letra da música conta. Esse dilema de querer a pessoa perto e longe ao mesmo tempo, sabe? O impacto da coreografia se intensifica com o auxílio da edição, que altera a velocidade dos movimentos (como no trecho de 1:20 a 1:26, alternando partes muito rápidas e em slow motion).

Falando na edição, também são legais os movimentos que a garota que compõe o casal e a Hayley fazem juntas – em 1:37 e 2:32, por exemplo. E se não bastasse essa edição alucinante, a coreografia e os efeitos que comentei acima, a fotografia por si só é um show à parte. Os planos em que a Hayley aparece são lindos, com um cenário simples cheio de lâmpadinhas (olha elas de novo). Acho legal o contraste entre as cenas mais coloridas e claras, mostrando o rosa e azul dos sofás e roupas, e as cenas contra a luz, em que um refletor fica atrás deles e só vemos silhuetas (vide planos em 1:51, 3:12). Destaque também pro plano final, faria um quadro dele e penduraria no meu quarto!

Por mim, passaria dias falando pra vocês de cada plano desse videoclipe, de cada detalhe. Não consigo parar de assisti-lo! Sinto nele uma subjetividade difícil de explicar, a música sozinha não passa essa sensação de forma tão intensa. Talvez algumas pessoas achem que a montagem é frenética demais e que rola muito desfoco, que fica tudo meio confuso, mas acho condizente com a intenção da música – como se esse efeito meio atordoante fosse reflexo do sentimento que a pessoa tenta conter, mas não consegue. Ou eu realmente gosto tanto desse clipe que estou procurando coisa onde não tem, haha!

Data do post original: 30 de maio de 2014

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s