TRAILER: A Delicadeza do Amor (2012)

Ulalá! Na data do último post, o ASSISTER comemorou um mês de existência – eles crescem tão rápido, não? Parei pra refletir um pouco sobre a efemeridade da vida (not) e decidi que postarei aqui uma vez por semana, e não duas. Assim, o blog fica num ritmo mais tranquilo e consigo mantê-lo sem perder a qualidade (ou, ao menos, a sanidade). Demorei, mas cheguei com novidade: esse é o primeiro post sobre um trailer de filme – no caso, o fofíssimo filme francês A Delicadeza do Amor.

Calma, pára tudo! Não vou me meter a analisar o longa como um todo, porque tenho certeza que acabaria deixando muita coisa legal de fora. Quem sabe daqui um tempinho? Por ora, vou falar apenas a respeito do trailer. Aliás, a produção de um desses não é nada fácil: é um trabalho de síntese desgraçado, no qual deve-se apresentar a ideia central do filme, destacando seus maiores atrativos.

Blá blá blá, já entendi, Letícia! Me estendi um pouco, mas o importante é deixar claro que o trailer tem que possuir um mínimo de coerência e despertar o interesse de quem assiste. Mas pior do que não conseguir ‘vender’ o filme é quando o trailer faz o filme parecer mais legal do que é, por conter as únicas partes realmente boas. Dá uma decepção quando você sai do cinema… Felizmente, esse não é o caso do exemplar que escolhi – aliás, fiz questão de pegar um trailer de um filme que já vi pra poder fazer essa comparação.

A essência do filme foi muito bem transmitida, especialmente nessa reviravolta que acontece no próprio trailer. No começo, parece que vai ser uma versão francesa de PS Eu Te Amo, mas o filme logo toma outra direção, muito mais leve e divertida. A mudança de trilha ajuda a alterar a vibe do trailer – aliás, é interessante como essas mudanças de trilhas, apesar de muito evidentes, não causam um estranhamento do tipo “Nossa, a música mudou do nada!”. Isso porque já estamos envolvidos com a história em si, aí nem reparamos nesses detalhes.

É difícil falar de roteiro sem dar spoiler do filme, mas posso dizer as falas escolhidas para o trailer mostram, ainda que sutilmente, que a história não é tão melosa quanto comédias românticas costumam ser. É legal ver uma abordagem diferente de um tema tão batido  e, ainda assim, tão popular. Gostei de rever a fala sobre os Beatles, pertencente a um dos vários momentos engraçados do filme.

Não sei se esse post teve graça pra vocês que não viram o filme, mas pelo menos a dica está dada: dá pra falar de amor com profundidade sem cair no melodrama – de uma maneira irreverente, mas delicada. Dessa vez não tem como comentar do final, mas tudo bem! Esse é o tipo de filme que é mais proveitoso assistir curtindo cada parte do que imaginando que fim ele vai levar.  ASSISTAM!

Data do post original: 5 de setembro de 2012

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s