Uma Lição de Amor  (2001)

Voltei, Brasil! E com um dos filmes mais lindos que eu já vi na minha vida, lindo como esses romances água-com-açúcar nunca serão! Estou falando do digníssimo drama Uma Lição de Amor, ou, no original, I Am Sam (aí fico na dúvida, porque nenhum dos nomes traduz exatamente a beleza dessa história…Hm, vamos ficar com I Am Sam? São tantos filmes com “amor” no nome que o termo acaba perdendo sua essência, creio eu.

Sei que algumas pessoas não têm paciência pra filmes dramáticos, acham meio forçados ou pesados demais pra assistir num domingo à tarde, por exemplo, mas esse vale a pena, juro! Eu pessoalmente não sou tão fã de dramas, mas acho que vale mais a maneira como o assunto é tratado do que o tema em si. Até porque, apesar de eu ter certeza de que quem não chora com esse filme está morto por dentro, I Am Sam é um filme levinho, envolvente e bem gostoso de se assistir.

Quem é de casa já deve ter percebido como eu repito essa ideia de “peso” (leve/pesado) no filme, tanto na temática quanto no ritmo. O gênero de drama acaba sendo um bom exemplo pra se falar disso: quanto mais você sente o filme (tanto sua duração quanto o próprio enredo), mais pesado ele é. Como vimos em Cisne Negro, isso não é necessariamente ruim, mas não deixa de ser uma experiência intensa.  E, convenhamos, nem sempre quando vamos ver um filme estamos dispostos a passar por tanto desgaste mental/emocional.

Aí entra I Am Sam, um filme que equilibra na medida certa a leveza de um filme amoroso e fofo com o peso do drama familiar que Sam e Lucy têm de enfrentar. É quase como uma emboscada: o começo do filme é todo bacaninha, divertidinho – e, quando você vê, já escorregou e caiu na parte mais dramática do filme (mas ainda vai dar umas risadinhas, relaxa). E poxa, É CLARO que você não vai parar de ver! Você precisa apoiar o Sam!

Outra coisa interessante nesse filme: ele te deixa em conflito com você mesmo! Do lado racional, você se sente obrigado a concordar com a sensatez do mundo real, com todas as suas dificuldades e desilusões. Mas não tem jeito: seu lado emocional simplesmente não aceita a possibilidade de que o Sam não possa ficar com a sua filhinha, no mundo maravilhoso e cheio de amor que eles criaram juntos!

Claro que não dá pra não falar da Rita, personagem de Michelle Pfeiffer, que é uma espécie de antagonista do Sam. Tem uma cena dela (SIM, você-que-já-viu-o-filme, essa mesma!) que é mega emocionante, sempre choro! A cena fala de como a “perfeição” pode ter múltiplos significados. Sam, apesar de ser autista, possui virtudes que faltam à Rita, e acaba sendo um mentor para a advogada – quando o esperado, normalmente, seria o contrário.

Aliás, podem me dar licença para um segundo de indignação: COMO O SEAN PENN NÃO GANHOU OSCAR COMO SAM? Ok, talvez quem ganhou tenha merecido também, mas o Sean Penn tá sensacional nesse filme! Imagino como deve ser difícil interpretar uma pessoa com autismo sem parecer ofensivo ou exagerado… E, claro, temos a fofíssima Dakota Fanning, em um de seus primeiros papéis! Como ela atuava tão bem sendo tão pequenina, gente? E pensar que essa infeliz tem a minha idade agora!

E ainda tem um temperinho extra que me faz gostar ainda mais de I Am Sam: as referências diretas aos Beatles, é claro! Nos nomes (Lucy Diamond e Rita Harrison), nas falas das personagens, e, obviamente, na trilha! Fizeram um ótimo trabalho escolhendo as músicas dos Beatles que se encaixavam melhor em cada momento, como as cenas que mostram Lucy crescendo e percebendo que seu pai é “diferente” ao som de I’m Looking Through You.

Não quero entrar em outros detalhes da história pra não estragar, mas asseguro que o filme é maravilhoso. Fico emocionada só de ir lembrando de algumas cenas, de verdade! Apesar da banalização do termo “amor” em títulos de filmes (que mencionei acima), esse sim é um filme que expande e aprofunda a ideia de amor – de seu poder de enaltecer coisas boas e reduzir coisas ruins a meras adversidades, a pequenos obstáculos facilmente ultrapassáveis. E o melhor, sem cair no dramalhão exagerado de filmes similares!

Data do post original: 4 de abril de 2013

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s